terça-feira, janeiro 16, 2007

Solidariedade para com Sadam "Husein" e Cessação de actividades!


Manifestando a TOTAL OPOSIÇÃO à pena de morte (1,2), e em nenhuma "suli heriadade" para com o assassino e tirano Saddam Hussein, que foi assassinado no dia 30 de Dezembro de 2006 (nem chegou a 2007...), e do qual os responsáveis deste jornal mexicano nem se dignaram a escrever o correctamente o nome, venho por este meio decretar a

TOTAL CESSAÇÃO DESTE BLOG
E DAS SUAS FUNÇÕES


pelo que a partir de agora poderão encontrar os tão habituais "posts" sobre a minha vida no me novo berloque, o RELATÓRIO O. T. E. N. em http://desdeofimdomundo.blogspot.com


... ou considerem isto como uma manobra de diversão pelo que, a partir deste momento, os meus Pais e todos aqueles que tenham medo de vir a ficar chocados com os tão assustadores modos de vida da Geração Rasca devem consultar somente o outro blog, volto a escrever: http://desdeofimdomundo.blogspot.com

... e aqui seguirão, de acordo com o meu perfil, ainda maiores parvoíces e tudo aquilo que eu nao posso kuntar...

Para terminar gostaria de reafirmar que eu sou mesmo contra a pena capital! E achei repugnante tanto a pena, como o deplorável vídeo do assassinato, pelo que peço que consultem o seguinte vídeo que prova que tudo não passou de uma grande trama:
http://www.metacafe.com/watch/382178/saddam_the_unseen_video/

Mil Novecentos e Rapa o Taxo…

Mil Novecentos e Rapa o Taxo foi expressão que nunca percebi…

Mas “rapar o taxo” é um evento do qual, este Natal, ganhei uma total e clara percepção!

Anos passaram sem que deixásse de agregar às batatas que acompanham o meu polvo de Natal (sim, porque eu não como bacalhau!) uma boa quantidade de maionese, quando este ano resolvi embeber rodelitas de alho em Romeu. E surpresa das surpresas… apercebi-me que perdi anos da minha vida (bem, uns 25 natais) de azeiteiro prazer culinário!


E depois de tal revelação, la continuou a mística noite de natal com a (a)típica disposição de presentes frente à… lareira!

Dando-se na fatídica meia noute início ao místico ritual da abertura dos presentes (sempre acompanhada dos indispensáveis comentários sobre os ausentes), mais um ano tive a oportunidade de me regojizar com o meu sempre favorito e insubstituível Old Spice...


domingo, dezembro 24, 2006

A tal historinha...


Hip... Hip.....
Abreijos ...
E um Tanso Anal...
Hip.....
Queremos dizer...
E um Santo Natal...
Hip.... Hip......
P.S.: E lá chegou a hora de "comemorar" o suposto dia que que Jesus nasceu... Tendo mais tarde morrido para que o Homem fosse perdoado por um pecado que era era meramente simbólico... Assim que, com o devido respeito (que não é muito...), com histórias destas, é mesmo para apanhar os copos....

sábado, dezembro 23, 2006

Barcelona, continuas a minha favorita!

Ora, que melhor que, num fim-de-semana prolongado, ir visitar Madrid?

Qualquer coisa, está claro! Não fosse eu ter lá o meu amigo Rodrigo… madeirense, defensor incontornável do nosso repugnante Alberto João Jardim (1,2,3), e acima de tudo, um homem extremamente simpático e um excelente anfitrião.

Rodrigo no seu melhor...


Rumei então, num confortável “Autobus” em direcção à capital Espanhola, em data de 6 de Dezembro de 2006.

Após calorosa chegada ao Barrio del Pilar (calorosa no sentido figurativo, pois contando nas palavras em que o meu caro amigo dizia estar “um friozinho suportável, tipo Braga”, rapei um briol com já não me lembrava), lá fomos até sua casa e preparei o meu armário…

Armário, modelo mesa...

Mais tarde, juntamo-nos com o Ricardo, homem volumoso e de perfil nortenho, de uma extrema paciência e enorme disponibilidade, com quem fomos passear para aqui o “Je” conhecer um pouco da cidade assim com a infelizmente famosa Estaicon de Atocha e o Parque do Retiro. Acabou o dia com jantar e os jogos de Football do Barcelona, F. C. P. e Benfica, e por último K1 na Eurosport…

Dia seguinte, toca a ir passear pela cidade com umas, também visitantes, Lituanas, visto que o meu anfitrião trabalhava… Ruas cheias de gente (assim, para terem uma ideia, tipo o Porto no Norte Shopping e no Arrábida, e tipo Lisboa no Colombo) e algumas lojas são o que gostaria de destacar desta tarde…


Tres lojas realmente interessantes, seja por que razão fôr...

Ora como no dia seguinte havia feriado valente, toca a ir prá borga e a aprender a apreciar Jameson como o melhor acompanhante para a Coca-Cola…

O "Je", com cara de estúpido, o Ricardo, o Rodrigo com a Ieve (uma das lituanas) em cima, as outras duas lituanas no canto, e lá ao fundo, uma troop muito simpática de madrilenas e chilenas.

Resta-me aconselhar a todos a Boca Del Lobo… puro Rock (Louie Louie de Iggy Pop não é todas as noites que se ouve) e Funk do bom!

Boca Del Lobo, na Calle Echegaray.

Dia 3, juntamo-nos com mais pessoal português e aí vai mais passeata pelo centro e, nomeadamente, pela zona da Catedral e do Palácio Real.

A Catedral com um lindíssimo jogo de luzes.


Este dia serviu também para me aperceber de um pormenor muito interessante de algumas ruas de Madrid: as placas com os nomes destas contam, muitas vezes, com ilustrações relativas aos mesmos!


Placas dos nomes das ruas com excelentes ilustrações.

Como um dia em cheio não acaba nunca sem uma grande noite, e cada residente propunha planos diferentes, resolvi abandonar durante a hora do jantar e do início da noite o meu anfitrião, para me juntar a outro veterano de Braga, o Márcio, assim como ao Hugo e ao Inspector, numa noite que deu para percorrer vários bares, entre os quais alguns que serviam Super Bock, e onde todos nos davam “tapas” por cada pedido… sim, em Madrid, para além de no geral as pessoas serem mais simpáticas que em Barcelona (impressão minha), ainda têm o velho e fascinante costume de “regalar una tapa” quando se consome uma bebida (alcoólica, normalmente)!!!


Infelizmente nem se nota, mas eu estou aí a apontar para o nomve da divindade!


Nesta mesma noite deu ainda para contemplar a típica irreverência e inconformismo de “Nuestros Hermanos”… algo que infelizmente nos faz falta em doses abundantes…

A imagen geral da afiramação de descontentamento com o bar Commo e a ampliação.

E assim foi até ao último dia… passear e muita borga, com pessoal realmente muito simpático. Mas na realidade, assim foi até á última noite, porque o último dia, esse, ficou só pra mim! Não se fez muito…

O miradouro mais abominável que alguma vez vi...

… visitar o OVNI de Moncloa, assim o Museu da América e…….. quase a provocar a perda do autocarro de regresso….

TCHÃ TCHÃ!!!!!!


Afinal já temos metro há muito anos!!!

Uma zona dedicada à nossa Inbícta!!!

Por último gostaria só de destacar uns interessantes cartazes espalhados pelas locomotivas do metro de Madrid…

Retomeiting the Belogue… ou o agradecimento à AirMadrid !!!

Pois é…

Quando tudo corria bem, e os planos seguiam como planeado, aliás, com uma mais-valia, que me estava a trazer toda a tranquilidade e tempo que necessitava para me desenvolver como pessoa e como óme de negócios e potencial bi-guebóce de uma multinacional da área da alimentação, eis que surge a (nada) boa-nova: FOI RETIRADA A LICENÇA DE VOO À AIR MADRID (1)!!!

Não podia ser melhor, quando toda a surpresa já estava preparada no México e a prever-se a perda de 1024 oirios, fora os cêntimos, que também são dinheiro! Gu de bai tranquilidade e beimbinda uma semana de puro stress, entre saber que fazer, recuperar o dinheiro (até agora por rum canudo, mas daqueles grandes), tentar arranjar outra passagem por preço aceitável (graças á alma carinhosa do Sr. Neto – e não é preciso dizer qual é, que agora aqui ao “Je” é tratá-lo por Sinhor Doutor), comprar a atribulada viagem a casa para o Natal, comprar presentes póspa pás, fazer tudo o que tinha previsto fazer no tempo que era suposto estar livre (como por exemplo preparar a retoma do belogue), entre outros…

E convém ainda acrescentar que, entretanto, a minha TV ameaça dar o definitivo peido mestre, estragou-se o “mouse” de um computador que me tinham emprestado, parti um vidro da minha casa por adormecer em cima dele, o meu computador veio de arranjar e continua com problemas, o sei mouse pad deixou de funcionar, os jogos gravados do meu jogo de computador do momento deram o berro e algo tingiu de azul alguma da minha roupa branca…

Sem ar? É na boa… aqui vai respiração assistida… Pois agora que sou mais um mexilhão derrotado pelos sem vergonha da Air Madrid, reparei que nunca tive tanta vontade de voltar a escrever o meu blog e partilhar com todos “ustedes” a minha vida, em especial, na Ciutat Comtal

A verdade é que desde a minha última publicação já lá vai muito tempo… mas eu explico de uma forma resumida porquê. Digamos que, a partir do momento em que senti que estava com verdadeiros problemas pessoais a afectar a minha finalização do relatório de estágio, decidi não fazer nada que pedisse a minha atenção e não fosso o mesmo ou trabalho…

E desde aí muita coisa aconteceu… entre muito “sex, drugs and rock’n’roll”, relativamente pouco tempo depois do último “post” conheci uma mexicana que mais tarde vir-me-ia a dar a volta à cabeça… mas até aí várias e estonteantes peripécias (algumas a.k.a. “peripéssimas”) fizeram parte da minha vida, como quando estive a ponto de ser multado por urinar na via pública, coisa que não aconteceu graças à compreensão do Mosso d’Esquadra que, depois de eu o repreender por me chamar porco, compreendeu que é difícil aguentar quando não há nenhum urinol público e nos foi negada a entrada na disco depois d mais de 30 minutos à espera na fila…

Bem, durante todo este tempo também fiz um curso de catalão tendo terminado bom a migo da professora, pessoa coma qual, junto a com minha mexicana (a.k.a. MiMex) e com o Paulinho, fui aos 25º Festival de Teatro de Rua de Tárrega, assim como fazer toda um roteiro pela Catalunha num fim de semana prolongado. Factos como acabar o estágio e ser contratado pela própria empresa de estágio para trabalhar também fizeram parte de 2005. E logo que acabou este contrato, consegui o emprego dos meus sonhos nos últimos tempos: REDACTOR NA MOTOCICLISMO! Viver em Lisboa (durou três meses e meio)! Conhecer um grupo de amigos fora de série (obrigado Marta, Cláudia, Zevimetal e ao Paulo, ao “Nho” e ao outro irmão de quem não me lembro o nome! E também ao Semiao!)! Um ambiente de trabalho fenomenal! Um trabalho realmente de sonho! E uma lição para toda a vida: os sonhos não se comem e não te pagam a casa! Assim que deixe toda esta gente linda e voltei, já com a MiMex de volta e a viver comigo em Terras Lusas, para a preciosa cidade de Barcelona.

Aí, desde dar o túputúdo para acabar o curso, até trabalhar em vários sítios como “camarero”, coisa que adoro, e voltar a trabalhar com a entidade de estágio e viajar, em trabalho, aos Açores (e melhor comida dos últimos tempos!), etc, etc, etc…

Enfim, uma catadupa de acontecimentos sem precedentes na vida de João “Rammazzotty” “Poborsky” Neto…

Sobre tudo isto vou tentar falar (ou escrever) mais adiante, em formato recordação, mas com um pequeno senão… provavelmente não terei fotos… e isto porquê?

É que, já há alguns meses, o meu disco que todos os meus testemunhos fotográficos continha, deu o pifo…

Um azar nunca vem só… verdade?


P.S: Primeiro, quando estava em Lx fiz um curso de fotografia no CenJor que adorei. Segundo, eu continuo a considerar-me uma das pessoas mais sortudas do mundo. Terceiro, vim a Lisboa fazer um casting para o qual escrevi uma biografia que tentarei publicar no blog mais tarde, e não fui seleccionado. Quarto, queria dedicar a minha volta à escrita aos meus dois falecidos tios que tenho a certeza que iam gostar de ler isto e de saber sobre a minha vida: ao meu tio Jaime que já há uns anos nos deixou, e ao meu tio Trindade, a quem há muito pouco temo um acidente de viação tirou a vida…

sexta-feira, maio 13, 2005

Estes Takatakas são um amor....

...publicado no Publicp, on-line...

Cientistas japoneses criam pilha alimentada pelo sangue, 13.05.2005 - 13h11 Lusa

Investigadores japoneses desenvolveram uma pilha que usa a glicose do sangue para gerar energia sem ser necessário recorrer a substâncias químicas, de modo a criar uma fonte contínua de alimentação para os órgãos artificiais.
A pilha utiliza os electrões contidos na glicose como fonte de corrente, explicou o professor Matsuhiko Nishizawa, da Universidade Tohoku, em Sendai (350 quilómetros a norte de Tóquio)."Como a pilha é feita à base de vitamina K3, uma substância existente no corpo, para criar a corrente de electrões, o processo é absolutamente seguro", segundo um comunicado da equipa de investigação.No futuro, acrescenta, "uma pilha desse tipo pode constituir uma fonte de alimentação sob a forma de implante".A maior parte das pilhas em estudo para alimentar órgãos artificiais e estimuladores são concebidas a partir de metais, o que pode envolver riscos sanitários.A pilha desenvolvida pela Universidade de Tohoku tem o tamanho de uma moeda e pode gerar uma corrente com 0,2 miliwatts de potência.

sexta-feira, abril 22, 2005

Ganda Flash Man!!!

Pois sim, este link que vos deixo a seguir tem sem dúvida o melhor FLASH que vi nos último tempos!
Deitem uma olhadela! Juro que vale bem a pena e é de cagar a rir!

http://www.yonkis.com/mediaflash/aaaaahhh.htm

AAAAAHHHHHHH!!!!!!!!

quinta-feira, abril 07, 2005

Um conto infantil muito "infeliz" por sinal...

Para aqueles que nunca perceberam o que eu tinha contra o conto "Pedro e o Lobo" aqui segue um excerto extraido da página pessoal de José A. Bragança de Miranda que creio que vos aclarará... (http://ubista.ubi.pt/~soccom/bmiranda)

"Pedro e o Lobo"
Contei a um pequenito que conheço bem a estória do Pedro e do lobo. Ficou indignado pelo Pedro morrer apesar de ter dito a verdade, e que a verdade de nada servisse por si mesma, contra as duas mentiras anteriores. Era claro que não conseguia perceber que tudo estavisse encadeado, e que dessa cadeia de mentiras e verdades pudesse resultar a morte. Como gosto desse pequeno mudei um pouco as coisas. E assim um velho subiu à serra, não seguindo nisso o exemplo dos bons camponeses. Vendo o lobo a lançar-se sobre o Pedro, matou-o. Pedro agora salva-se. Entretanto, os camponeses acabaram por chegar, como chegam sempre e perguntaram ao velho: «Porque subis-te à serra? Não era evidente que o Pedro estava a mentir? Conhecemo-lo bem». Ao que respondeu o velho: «Quando ouço um pedido de ajuda, não pergunto se é verdadeiro ou não, mas se posso ajudar ou nao.. Escuto e obedeço.». O Pedro ficou surpreendido com esta resposta e perguntou também ele: « Eu estava a brincar com as palavras... A partir de agora já não posso brincar mais?» A resposta agradou ao tal rapazito que exigira a mudança da estória. Foi ela: «Podes sempre brincar. Mas, ai! cuidado com os demasiado sérios».(JBM 3 de Setembro de 1996)

terça-feira, março 29, 2005


Depois de munto pensar la resolvi fazer um Feisse Liftingue ... mas deixei as rastas e acrescentei uns piercings! Posted by Hello